Irrigação

Tenha melhores resultados com os nossos conjuntos de irrigação!

Qual melhor tipo de irrigação para minha lavoura?

Mais de 6.5 milhões de hectares são irrigados  no Brasil e ainda temos potencial para ampliar essa área em mais de 10 vezes.

Atualmente o destaque tem crescido muito para a quantidade de pequenos e médios produtores rurais interessados nas técnicas de irrigação e o desejo de saber qual é o melhor técnica. Mas afinal, qual é a melhor técnica para a irrigação?

A resposta correta é que não existe um sistema ideal de cultivo. Tudo depende de onde e como a irrigação deve se comportar.

O sistema de irrigação depende, basicamente, da cultura, do solo e do tamanho e topografia da área. A capacitação tecnológica e a disponibilidade de recurso financeiro do produtor também podem influenciar a decisão sobre qual sistema de irrigação utilizar em uma determinada cultura”. Entretanto, para facilitar a busca pelo método mais adequado, é possível estabelecer alguns caminhos básicos. Um sistema de irrigação depende de vários fatores como por exemplo: 

  • 1) Tipo de cultura;
  • 2) Tipo de solo;
  • 3) Tamanho da área a ser irrigada;
  • 4) Topografia da área a ser irrigada;
  • 5) Disponibilidade de recurso financeiro;
  • 6) Capacitação tecnológica;

Veja abaixo as principais técnicas. Ou se preferir  ligue agora ou nos envie um WhatsApp clicando no ícone abaixo.

Aspersão

Culturas anuais como feijão, milho, cenoura e batata podem ser irrigadas por aspersão. “Em áreas pequenas pode ser utilizado o sistema por aspersão convencional, em que tubos são distribuídos na área cultivada e a água é aplicada por aspersores instalados em um espaçamento que varia de acordo com as suas características de pressão de trabalho, vazão e raio de alcance do jato de água”, diz Bassoi. Já em áreas maiores, é possível utilizar o sistema de irrigação por pivô central ou lateral móvel, que se baseia no deslocamento automatizado de uma torre com aspersores para a aplicação de água em uma área circular ou retangular.

Normalmente aplicada em plantações de cana de açúcar e citros, a irrigação por autopropelido tem o deslocamento de um aspersor por meio de um acionamento hidráulico, que puxa a mangueira a qual o “canhão” está conectado ao longo da área.

        ”O sistema de irrigação depende da cultura, do solo e do tamanho e topografia da área”.

Localizada

Outro sistema é o de irrigação localizada, também chamado de microaspersão ou gotejamento, muito comum em culturas perenes. Nele a água não é aplicada em toda a superfície do solo, mas em parte dele, ao redor ou próximo à planta. “Para o tomateiro industrial são mais frequentes a irrigação por gotejamento e por pivô central em áreas mais extensas, enquanto que para a produção de tomate in natura a irrigação por superfície se destaca.”

Por Superfície

A maior parte do arroz irrigado no Brasil utiliza a irrigação por superfície, mas em terras altas utiliza-se aspersão. O pesquisador ressalta, no entanto, que os cultivares de arroz para a irrigação por superfície são diferentes dos indicados para a irrigação por aspersão. A melancia é outro exemplo de cultura que pode ser irrigada tanto por superfície como por aspersão. Na dúvida sobre o correto manejo de irrigação, o mais indicado é buscar orientação profissional em consultorias e instituições de pesquisa.

Conclusão

Como descrito acima, o melhor sistema de irrigação vai depender do que você precisa, quanto quer pagar, topografia da área, tipo de solo, entre outros. Assim se não tem a experiência necessária para definir seu tipo de aspersão, recomendamos entrar em contato com nossa equipe de vendas que tem a melhor solução para seu negócio. Clique aqui e veja nossas formas de contato.